Apatej participará da cerimônia de posse dos novos integrantes do Conselho Superior da Magistratura

18/01/2018

Os novos integrantes do Conselho Superior da Magistratura no biênio 2018/2019 Foto: Klaus Silva/TJSP

A diretoria da Associação Paulista dos Técnicos Judiciários (Apatej) participa, no próximo dia 5 de fevereiro, da posse dos novos integrantes do Conselho Superior da Magistratura, eleitos para conduzir o Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo (TJ-SP) no biênio 2018/2019.

A cerimônia acontecerá durante a sessão de abertura do Ano Judiciário de 2018 no Salão dos Passos Perdidos, na sede do Tribunal, que está localizada na Praça da Sé, s/n, 2º andar, Centro, São Paulo. A solenidade tem início às 10h30.

O novo Conselho Superior da Magistratura do Tribunal de Justiça de São Paulo é composto pelos desembargadores Manoel de Queiroz Pereira Calças (presidente), Artur Marques da Silva Filho (vice-presidente), Geraldo Francisco Pinheiro Franco (corregedor-geral da Justiça), José Carlos Gonçalves Xavier de Aquino (decano), Gastão Toledo de Campos Mello Filho (presidente da Seção de Direito Privado), Getúlio Evaristo dos Santos Neto (presidente da Seção de Direito Público) e Fernando Antonio Torres Garcia (presidente da Seção de Direito Criminal).

Os conselheiros conduzirão o maior Tribunal do mundo em volume de processos. O número de ações demandadas no judiciário estadual paulista corresponde a 25% do total de processos em andamento na Justiça brasileira. Atualmente 2,6 mil magistrados e aproximadamente 43 mil servidores trabalham nas 319 comarcas do Estado.

Para o presidente da Apatej, Mario José Mariano, o Marinho, a troca de comando no TJ deve ser acompanhada de perto pela categoria e as oportunidades de diálogo precisam ser buscadas constantemente. “É o momento de cobrar do TJ e por tabela do Governo do Estado, mais atenção e respeito aos servidores da Justiça. Sobretudo lembrando que no início desse ano o governador Geraldo Alckmin concedeu reajuste de apenas 2,8% aos servidores”, destacou Marinho.

O presidente da entidade lembra ainda que o reajuste do governo do Estado só saiu após vários anos de luta dos servidores, coincidentemente no ano em que Alckmin pretende lançar-se candidato à Presidência da República.