Entidades se reúnem com presidente do TJ e apresentam demandas dos servidores

22/02/2018

Pereira Calças chegou a apresentar algumas propostas aos dirigentes das entidades. Foto: Marianna Oliveira (ASSETJ/FESPESP)

Na manhã desta quinta-feira, 22, entidades que representam servidores do judiciário paulista, se reuniram com o recém-empossado presidente do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP), Manoel de Queiroz Pereira Calças. O encontro aconteceu no Palácio da Justiça, na região central de São Paulo.

O encontro tinha como objetivo apresentar ao novo presidente demandas urgentes da categoria como reposição e reajuste salarial, corte de horas extras e horas credoras, a demora no chamamento de servidores já concursados, nível universitário para escreventes, auxílio-saúde, entre outras.

Aos dirigentes, Pereira Calças chegou a apresentar algumas propostas, como a correção salarial dos servidores, correções nos valores do auxílio transporte, do auxílio alimentação e do auxílio saúde, tudo usando como base a inflação do período.  Ele prometeu ainda que diversas ações serão implementadas para valorizar os servidores, como a capacitação na área de Gestão de Contatos, programa de desenvolvimento de novas lideranças, retorno do Banco de Talentos e informatização completa da área de Gestão de Pessoas.

Mario José Mariano (Marinho) é o presidente da Apatej. Foto: Marianna Oliveira (ASSETJ/FESPESP)

Pereira Calças ainda disse que entrou com um mandado de segurança contestando a decisão do Conselho Nacional de Justiça de obrigar que coordenadores e supervisórios de cartórios tenham curso superior. “Cerca de 300 gestores estão nesta condição”, destacou.

Sobre a informação de que reduziria a jornada de trabalho, retiraria o auxílio alimentação e suspenderia as nomeações de assistentes jurídicos, o presidente negou e classificou como “boataria”. Segundo ele, nenhum direito será retirado. “Não admito qualquer retrocesso”, explicou.

Ao fazer uso da palavra, o presidente da Associação Paulista dos Técnicos Judiciários (Apatej), Mario José Mariano, (Marinho), destacou que o reajuste com base na inflação oferecido pelo Tribunal de Justiça significará um acréscimo pequeno aos vencimentos dos servidores. Segundo Marinho, o aumento resultaria em R$ 1 a mais no vale alimentação, entre R$ 8 e R$ 10 a mais no auxílio saúde e acréscimo de apenas R$ 100 no salário de um escrevente. “Além do índice inflacionário peço que vejam a possibilidade de majorar esse índice. Tanto em relação ao ajuste do auxilio alimentação, saúde e data-base do nosso servidor”, finalizou.

Marinho destacou que o reajuste oferecido significará um acréscimo pequeno aos vencimentos dos servidores. Foto: Marianna Oliveira (ASSETJ/FESPESP)