Comissão recebe entidades para debater Nível Universitário para Escreventes

18/04/2018

A Associação Paulista dos Técnicos Judiciários (Apatej) – juntamente com outras entidades de classe – participou nesta terça-feira, 17, de uma reunião com representantes do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo (TJ-SP) para tratar da implantação do Nível Universitário para Escreventes.

O encontro aconteceu no Palácio da Justiça e contou com a presença de Tarcísio dos Santos, secretário da área da Saúde do TJ-SP, e das juízas assessoras da presidência Silvana Malandrino Mollo e Tatiana Magosso.

De acordo com os dados apresentados pelo Tribunal, atualmente há cerca de 34 mil escreventes no judiciário paulista, entre ativos e aposentados. Deste total, 31.475 possuem nível superior (aproximadamente 94%).

Levantamento feito pelas entidades apontou que o impacto financeiro da adoção do Nível Universitário para Escreventes será de aproximadamente R$ 84 milhões por mês, somando cerca de R$ 1 bilhão a mais por ano ao TJ-SP. Medida possível de ser adotada, segundo os sindicalistas.

Foto: Assojubs/Assojuris

Como resposta os representantes do TJ-SP disseram que estudos serão feitos para avaliar o impacto financeiro da reivindicação. Quando estiver pronto, o resultado do levantamento será enviado ao presidente Manoel de Queiroz Pereira Calças.

Para o diretor da Apatej Marcos Leite Penteado, o Marquinhos, apesar do valor parecer alto para o Tribunal de Justiça, 94% dos trabalhadores já possuem nível superior e seria uma retribuição ao investimento feito pelos próprios servidores na especialização.

“O Nível Universitário para Escreventes é bom para o Tribunal, bom para o trabalhador e bom para o público. Quanto mais especializada a mão de obra, melhor o serviço oferecido”, destacou.

Foto: Assojuris/Assojubs