Em nova Assembleia, servidores do judiciário decidem manter Greve Sanitária

28/07/2020

Por meio de uma Assembleia Geral realizada na manhã desta terça-feira, 28, os servidores do judiciário paulista decidiram manter a greve sanitária e não retornar ao trabalho presencial, conforme determinação do Provimento CSM nº 2.566/20.

Os profissionais permanecerão exercendo suas atividades, mas de maneira remota, como vem fazendo há mais de 100 dias.

A decisão levou em consideração o alto risco de morte que o retorno presencial representa visto que o número de mortos e contaminados pela Covid 19 ainda é muito alto e a curva de contágio segue crescente.

Sobre a mobilização o TJ-SP enviou uma nota ao site Poder 360 dizendo que “é prematuro 1 posicionamento acerca do anúncio de greve dos servidores”.

Isso porque, segundo a corte, não há como computar a adesão dos servidores ao ato visto que muitos continuam em Home Office e que o retorno ao trabalho presencial é gradual.

Mesmo assim, o tribunal enfatizou ao periódico que “tomou e toma todas as cautelas necessárias para a preservação da vida das pessoas e todas as suas ações foram e são voltadas para essa finalidade, inclusive com os materiais de prevenção disponibilizados em todos os seus prédios.”

Para o presidente da Apatej, Marcos Leite Penteado, o Marquinhos, é esperada uma adesão maior à mobilização com o passar dos dias porque parte dos servidores ainda está trabalhando à distância.

Ele lembra que, mesmo trabalhando de casa, servidores têm feito um excelente trabalho, reconhecido inclusive pelo TJ-SP.

Uma nova Assembleia Geral virtual será realizada na sexta-feira, 31, e irá avaliar novamente o posicionamento do Tribunal de Justiça de São Paulo.