Novo Relatório Justiça em Números 2014 poderá ser acessado pela Internet

23/09/2014

O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) apresenta, hoje (23/9), o novo Relatório Justiça em Números 2014, durante a II Reunião Preparatória para o VIII Encontro Nacional do Poder Judiciário, em Brasília.

As informações do Relatório Justiça em Números 2014 poderão ser acessadas de forma simplificada pela Internet, por meio de um relatório interativo. Estarão disponíveis os infográficos de cada um dos tribunais do país, divididos por ramo da Justiça (Estadual, Federal, Militar, Eleitoral e do Trabalho), e também dos tribunais superiores.

A ferramenta deve facilitar o acesso regionalizado às informações de um determinado tribunal, como os tribunais de justiça estaduais, por exemplo. Os infográficos disponibilizados na internet serão os mesmos que farão parte do relatório publicado.

Para acessar o infográfico, o internauta deve primeiramente escolher um dos ramos da Justiça. Em seguida, aparecerá um mapa do Brasil com a sigla dos tribunais distribuídos. Ao passar o mouse pela área geográfica de abrangência do tribunal, será apresentado um resumo dos principais indicadores da Corte, entre eles despesa total, processos novos, baixados e pendentes, taxa de congestionamento e carga de trabalho por magistrado.

Basta então clicar no tribunal do qual se deseja a informação e, na página seguinte, escolher o ano de referência da informação. Estarão disponíveis dados de 2009 a 2013.

O relatório interativo deve ser acessado por meio do endereço:http://www.cnj.jus.br/programas-de-a-a-z/eficiencia-modernizacao-e-transparencia/pj-justica-em-numeros.

Relatório – Com dados inéditos, a publicação trará diagnóstico da atuação da Justiça brasileira referente ao ano de 2013. Essa é a principal base de dados do Poder Judiciário, por trazer o perfil e o funcionamento dos tribunais brasileiros. No estudo, cada tribunal é apresentado a partir de seus indicadores de orçamento, recursos humanos, litigiosidade, congestionamento e produtividade, entre outros.

O novo relatório traz algumas novidades na forma de apresentação dos dados que tornam a edição deste ano mais analítica e visualmente aperfeiçoada. Logo no início, um capítulo faz a análise e o panorama global com os principais dados agregados do Poder Judiciário, sob o ponto de vista da despesa, da produtividade e da litigiosidade. Além do resumo analítico produzido pelo Departamento de Pesquisas Judiciárias (DPJ) do CNJ, estão incluídos neste capítulo gráficos e tabelas com as principais informações referentes à série histórica desde 2009 até 2013. Após o capítulo com o consolidado do Poder Judiciário, são apresentados capítulos de cada um dos ramos da Justiça.